Seguidores

sábado, 14 de agosto de 2010

Soneto de Divórcio


Quando o desejo esfria-se, certamente,
Não se ouvem mais juras sinceras!
Perdem-se os sonhos, vão-se as quimeras!
Não se beijam mais demoradamente!

Quando a paixão acaba, também fenecem
O respeito mútuo e as muitas carícias.
Negam-se os corpos com as mesmas notícias
Sem notarem que duas almas adoecem.

E os filhos pequenos sofrem mais ainda
Por não entenderem a separação
O resumo trágico de uma história linda

Mas é quase impossível e é desleal
Enganar a si próprio e ao coração
Viver de aparências um amor formal.

José Anchieta

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Link-me