Seguidores

quinta-feira, 5 de março de 2015

Linda

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Cartões Amantes da Poesia

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Carta aos Amigos

Estou escrevendo esta carta para os meus amigos, não apenas os titulados “amigos”,pela rede social Facebook. Quando eu digo amigos, me refiro aos que, além de adicionados no meu face, fazem ou já fizeram parte do meu convívio social. Quer sejam parentes (próximos ou não tão próximos), colegas de trabalho, ex colegas da escola, irmãos em Cristo, conhecidos, clientes ,etc e tal... Pessoas que na maioria da vezes, nem sabemos ainda o nome, mas que fazem toda uma diferença no nosso dia a dia. Quero nesta carta sugerir algo tão simples e tão extraordinário! Que vivamos intensamente a mágica do Amor, e de que tipo de amor será que eu estou falando? Este amor aqui: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor. 1 Coríntios 13:1-13
Vivemos dias totalmente conturbados, que a necessidade deste “Amor” é crucial em nossas vidas e no nosso dia a dia, para que possamos sobreviver e não apenas viver. Portanto, se a mensagem desta carta tocou profundamente ou ainda que superficialmente o seu coração, quem sabe, ligue para alguém; um parente, um amigo, seu pai ou sua mãe ( aproveite enquanto eles inda estão vivos) , não despreze os idosos e seja prestativo com as crianças, com um morador de rua, com o seu vizinho, com o seu próximo. Escreva uma carta para alguém que você ama muito, para um amigo distante, ligue para o seu irmão, para um primo, envie uma mensagem pelo whatsapp, sei lá... Mas faça urgentemente!
Nós precisamos urgentemente dar e receber amor, sem medida e sem pudor. O amor merecido e desmerecido, o amor que cura, que salva e liberta da solidão doentia.
E que este amor supra a mais íntima fome avassaladora do ser humano, do ser pensante (que muita das vezes não pensa), que este amor preencha as lacunas, reerga aquele que caiu diversas vezes e já não tem forças ou coragem para se levantar, que este amor sufoque a mágoa até mata-la, que este amor apazigue a tempestade da alma, cure as chagas da indiferença, alivie a dor de uma saudade e suplante o vazio da perda.
Aos meus amigos, escrevo esta carta, de peito aberto e coração preocupado propus-me
Acalentar-vos com estas palavras, para que possam viver a intensa e a mesmo tempo brevidade das horas, Vivamos o hoje, o presente, como uma dádiva, uma luz que permanece acesa e que deve iluminar a si mesma. Não devemos esquecer dos que padecem sem teto e sem pão, sem salário ou educação, sem livro ou diversão (sob o viaduto ou na prisão). Oremos, por nós mesmos e pelos outros. Oremos e principalmente: amemos uns aos outros.
Amemos nossos cônjuges, nossos filhos, nossos pais, nossos lideres e a nossa pátria.
Um abraço
José Anchieta

domingo, 4 de janeiro de 2015

Se não for Amor...


Eu te Amo! Amo o jeito que você me olha! E a forma que as vezes desvia o olhar, por timidez.
Amo a sua voz, sussurrando aos meus ouvidos que me ama, que me quer.
Amo o seu cheiro, que fica em mim toda vez que você se vai pra longe dos meus braços.
Amo a forma que você me abraça forte, como se não quisesse me soltar nunca mais.
Amo o seu beijo que consegue revelar fragilidade, apesar de ser tão homem, tão forte.
Amo a intensidade com que me deseja, como eu te desejo. Pra sempre e sempre.
Amo cada detalhe, cada gesto, cada sorriso que me prende em você.
Amo cada palavra, cada expressão, cada sentimento transparecido num simples olhar.
Amo cada toque, cada curva, cada entrega que ocorre num espaço em que nossos braços entrelaçam, se cruzam num abraço.
Eu amo a maneira que ficamos tão vulneráveis ao Amor, ao fogo da paixão no momento em que não existe mais nada além de você e eu.
Amo o seu corpo encostado no meu corpo quente no momento em que meus lábios se envolvem nos seus.
Eu amo acordar todos os dias com a certeza de um dia acordar do seu lado, poder olhar dentro dos seus olhos e dizer o quanto EU TE AMO.
Eu amo, amo, amo, amo, amo e não me canso de te Amar!
Você é o meu sol, minha lua, minha força, minha vida.
Você é a razão de cada pensamento, cada desejo. Desejo de te Amar um pouco mais a cada dia... E continuar te Amando.

Grazielle Adriana
(Para Mayker Müller)

Imagem: Lorelay Bové
Edição de imagem: Dany WR


Libertária é um espaço aberto para os poetas. Se quiser publicar seus textos, por gentileza, envie para o nosso inbox. Todos são bem-vindos!

Link-me